Logotipo IF Instituto Federalista
Brasil
Sublata causa, tollitur effectus : Suprimida a causa, cessa o efeito

O Federalista

Preencha o formulário abaixo para receber, gratuitamente, os boletins do Instituto Federalista em seu endereço eletronico:

Nome:

E-mail:

Cód. de Segurança



Contato
Sua Opinião
Declaração de apoio
   

Destaques


Trem bala é tiro na culatra

Análise escrita por Internet, em 18/07/2011.

De: Helio Mazzolli [mailto:mazzolli@terra.com.br]
Enviada em: sábado, 16 de julho de 2011 07:22
Para: Senadora Kátia Abreu
Assunto: Os alucinados do Trem Bala





Senadora



Os senadores não deriam permitir essa alucinação.



Extrai do texto anexo publicado no Estadão:





O projeto do Trem de Alta Velocidade (TAV) entre São Paulo e Rio de Janeiro, o trem-bala, poderia ser usado em cursos de administração pública como exemplo do que não se deve fazer.

foi superestimada a demanda de passageiros

O TAV tampouco custaria R$ 33 bilhões, como dizem, e sim mais de R$ 60 bilhões.

Foram ignoradas também as intervenções necessárias para o acesso às estações do trem, caríssimas e não incluídas naqueles R$ 60 bilhões.

O último leilão do TAV fracassou não porque os empresários privados não gostem de receber subsídios

Que coisas poderiam ser feitas com esse dinheiro?

Na área de transportes de passageiros, R$ 25 bilhões de novos investimentos em metrô e trens urbanos, beneficiando mais de 3 milhões de pessoas por dia útil em todo o País: Porto Alegre, Curitiba, São Paulo, Belo Horizonte, Rio, Goiânia, Brasília, Salvador, Recife, Fortaleza...

Sabem quantas o trem-bala transportaria por dia? Cerca de 125 mil, numa hipótese, digamos, eufórica.

Na área de transportes ferroviários de carga, os novos investimentos atingiriam R$ 35 bilhões, atendendo à demanda interna e ao comércio exterior, conectando os maiores portos do País aos fluxos de produção, aumentando o emprego e diminuindo o custo Brasil.

Entre outras linhas novas, que já contam com projetos, poderiam ser construídas

a Conexão Transnordestina (Aguiarnópolis-Eliseu Martins);

a Ferrovia Oeste-Leste (Figueirópolis-Ilhéus);

a Centro-Oeste (Vilhena-Uruaçu);

o trecho da Norte-Sul de Açailândia a Barcarena,

Porto Murtinho a Estrela d"Oeste;

o Ferroanel de São Paulo;

o corredor bioceânico ligando Maracaju a Cascavel;

Chapecó-Itajaí, etc.

Tudo para transporte de soja, farelo de soja, milho, minério de ferro, gesso, fertilizantes, combustíveis, álcool, etc.

É bom esclarecer: o trem-bala não transporta carga.



Comentario IF Não é à toa que ninguém se interessa por essa sandice.

Torçamos para que o Brasil não seja torcido e retorcido com esse descomunal gasto.